• Informe Popular

Jornal Folha de Boa Vista publica matéria sobre violência policial à moradores

Informação é que atos foram cometidos contra diversos moradores do Residencial Vila Jardim, inclusive uma adolescente de 13 anos


Moradores do Residencial Vila Jardim, no bairro Cidade Satélite, denunciaram à Folha supostos atos de ameaça e agressão por agentes da Polícia Militar de Roraima e da Guarda Civil Municipal. O relato é de uma família que teria sido supostamente agredida após ser testemunha de uma agressão.


A informação é que agentes da Guarda Civil teriam exigido que a família entregasse o celular de uma adolescente de 13 anos, durante uma ronda. Segundo a mãe da garota, que preferiu não se identificar, a menina foi colocada de joelhos, agredida fisicamente e também xingada. O pai também teria recebido chutes e sido ameaçado. “Ela passou três dias sem dormir, nunca passou por isso. Somos uma família de trabalhadores, só saímos para ir à igreja. Agora ela tem medo de sair de casa”, relatou a moradora.


O pintor Jardel Sales, morador do residencial, informou que presenciou a cena e foi com a mãe da menina prestar queixa, como testemunha. Já na terça-feira (09), a partir das 23h, teria saído do apartamento para jogar o lixo fora e que então teria sido abordado por policiais. “Eles pediram para me identificar. Disse que meu nome era Jardel e eles responderam ‘ah, você que é o Jardel que gosta de denunciar policial”, relatou.


A vítima diz que na sequência foi levado à um beco escuro próximo ao Bloco 3 do Residencial Vila Jardim, onde teria sido espancado. “Bateram no meu rosto, nas minhas costas. Falaram que se eu denunciasse eles de novo eu ia me dar muito mal. E levaram a chave do meu carro. Tive que pagar outra chave”, relatou.


Após o ocorrido, o pintor informou que foi até a Corregedoria da Polícia Militar para relatar a situação. Em seguida, a vítima afirma que recebeu novas ameaças. Agora, permanece dentro do seu apartamento, com medo de sair. O morador do residencial espera que com a denúncia das agressões, se encerre os atos cometidos contra os moradores. “A Prefeitura tem que abrir uma sindicância para averiguar na Guarda Municipal, tomar providências. Pela PM, o nosso governo tem que afastar essas pessoas”, declarou.


Morador afirma que teve pneu dos carros furados em abordagem


Outro suposto caso de agressão cometido por policiais militares foi relatada à Folha pelo jovem Fábio Hudson Batista, de 19 anos. Segundo a vítima, o caso ocorreu nessa quinta-feira (11), por volta das 23h, no bairro Cidade Satélite.


“Quando eu estava a caminho de casa em um gol branco, fui abordado por policiais militares. Eram três na viatura. Passei por todos os procedimentos de abordagem sem oferecer risco aos agentes presentes, passei por uma série de perguntas básicas de abordagem, sem nenhum momento ter faltado com respeito”, declarou.


Mesmo assim, a vítima diz que um agente acabou pressionando uma faca contra a sua costela. “No decorrer da abordagem os agentes insistiram em dizer que tinha algo de errado com a minha situação e que eu estava traficando entorpecentes. Logo no fim da abordagem um agente praticou um ato com a finalidade específica de me prejudicar, furando o estepe e a roda esquerda traseira do carro. Isso me deu prejuízo financeiro, além de ter me sentido ameaçado”, declarou.



Governo diz que vai apurar denúncia


Em nota, o Comando de Policiamento da Capital (CPC) da Polícia Militar informa que toda e qualquer denúncia sobre fatos envolvendo integrantes da Corporação é repassada para a Corregedoria, para apuração e providências. Esclarece que o caso foi apresentado no 1º Batalhão da Polícia Militar (BPM), na quarta-feira, 10, e na Corregedoria-Geral da instituição. "A denúncia será apurada pelo órgão competente e a guarnição será ouvida", informou a nota.


Prefeitura informa que não foi comunicada oficialmente do ocorrido


A Secretaria Municipal de Segurança Urbana e Trânsito (SMST) informou que, até o momento, não foi comunicada oficialmente sobre a denúncia. Informa ainda que, qualquer cidadão, como testemunha ou vítima, que sofrer ou presenciar qualquer ato irregular ou abusivo por parte da Guarda Municipal, deve se dirigir à Corregedoria da SMST. A Corregedoria funciona na sede da SMST, localizada na Avenida Capitão Júlio Bezerra, bairro 31 de março.


Créditos: Folha de Boa Vista

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now